Veneza, Itália. Conheça a história de uma cidade destinada a desaparecer!

Veneza - Viagem e ArquiteturaVeneza é uma das cidades mais encantadoras do planeta. Ela incendeia nossa imaginação e encanta nossos sentidos com sua onipresente arquitetura milenar. Com uma história rica que pode ser sentida em cada esquina, em cada piazza. Uma cidade envolvida completamente por canais, ilhotas, Pallazzos espetaculares, Domos exóticos e muita muita beleza! Um lugar para nunca ser esquecido!

Introdução: Uma Cidade Original!

 

Isola de San Giorgio Maggiori
Isola de San Giorgio Maggiori

Uma das cidades mais lindas e fantásticas do mundo, Veneza causa uma primeira impressão que é marcante e difícil de esquecer. Em nossa viagem a Veneza, o primeiro impacto daquelas águas de um azul que eu jamais havia visto, do tumulto fervilhante de barcos, lanchas e Vaporettos em meio ao Grande Canal. Tudo isto formou uma imagem que eu até hoje não consigo esquecer! E esta foi apenas a primeira impressão! Imagina o que viria depois de começar a andar por este lugar espetacular!

Ela é uma das cidades mais originais da civilização ocidental, tendo sido criada por sobre as águas da sempre ameaçadora laguna, dando a impressão de que se vê água por todos os cantos e recantos. Mas a suma originalidade está no fato de que Veneza com suas casas, monumentos, igrejas, restaurantes e tudo o que se conhece dela, é construído por sobre centenas de pequeninas ilhas, que são reforçadas com milhares de estacas encravadas profundamente no terreno.

Os inúmeros canais que separam as ilhotas, são como as tradicionais ruas por onde andam nossos automóveis, que em Veneza são as embarcações. Neste post, que coincide com o primeiro ano da criação do Blog Viagem e Arquitetura, trazemos um guia sobre esta cidade que encanta cada visitante que por ela passa!

Vamos conhecê-la?

Veneza em belas Imagens.

Este vídeo traz imagens belíssimas em HD da espetacular Veneza. Você vai se sentir como se estivesse lá!

 

Veneza uma cidade destinada a desaparecer!

Gôndolas em Veneza
Gôndolas em Veneza. Uma cidade destinada a desaparecer.

Você não tem que correr para o aeroporto mais próximo de si e pegar o mais rápido voo para a Itália, para conhecer Veneza, enquanto ela ainda está sobre as águas! Mas a ciência realmente tem demonstrado continuamente que só um milagre da mais prodigiosa engenharia é capaz de salvar esta cidade, palco de uma riquíssima arquitetura que mescla estilos arquitetônicos e obras de arte impressionantes, especialmente em vista do temível aquecimento global que tem elevado o nível dos oceanos a patamares nunca antes vistos.Os relatórios mais recentes, são catastróficos e apontam para a terrível conclusão de que Veneza está afundando mais rápido que o previsto. Que cataclismo seria tal coisa! Alguns chegaram a afirmar que as ameaçadoras águas do Adriático devastariam Veneza ainda no século XX. Tal previsão não se consumou e a cidade continua de pé! La Serenissima, a Serena República de Veneza, permanece um monumento à alegria e a celebração da vida em meio ás tormentas e ao destino!

Gôndola Solitária em Veneza, Itália

Uma vez que se chega lá e se depara com as suas maravilhas arquitetônicas e riquezas, suas cores vívidas, seus tons dourados e brilhantes e com sua história preservada o viajante imediatamente se dá conta em seu íntimo de que estas histórias e relatos científicos nada mais são que bobagens, nada disto vai acontecer! Mas espere até você enfrentar a sua primeira Acqua Alta e você verá o quão próximas as águas estão de devorar a pequenina Veneza. A verdade é que não há como se salvar esta maravilha Ocidental e as águas continuam subindo!

Uma pergunta fica no ar: Por que os Venezianos de outrora resolveram construir numa área tão pantanosa e traiçoeira ao invés da terra firme, coisa que existia aos montes ao redor da lagoa?

Acqual Alta e botas altas!
Acqua Alta. As botas foram obrigatórias!

Você conhece a Acqua Alta, o fenômeno mais intrigante e ao mesmo tempo assustador de Veneza? Pode acreditar, a experiência é inesquecível!

Venha conhecer aqui neste relato:

Acqua Alta em Veneza, Italia. Um surpreendente fenômeno que você precisa conhecer!

Bônus extra!

Este artigo está disponível em arquivo PDF de alta qualidade que você pode fazer o download agora. Assim você pode ler quantas vezes quiser e imprimir!

Faça seu download! Não leva nem 2 minutos!

Veneza pdf capa

Bônus Exclusivo: Clique e Faça o Download de Veneza  e conheça a História e a Arquitetura de uma cidade prestes a desaparecer!

Uma boa leitura!

 

O Nascimento de Veneza

 

As regiões da Itália

As regiões da Itália
As regiões da Itália.
fonte: Mappery.com

Quando se pensa em Itália, logo se vem à mente as magníficas construções de Roma, as deliciosas massas das inúmeras Trattorias, os gigantescos duomos, as milenares basílicas, o povo agradável e suas cidades pitorescas. Roma chama a maior parte da atenção, Milão entusiasma com seu luxo e sofisticação, Florença com sua arte e assim vai. Porém, em se tratando de um dos países mais ricos cultural e geograficamente, na Itália cada região é digna de ser visitada. Cada uma delas possui uma arquitetura belíssima, uma geografia magnífica, cidades lindas e artísticas, uma comida e bebida para nunca se esquecer, ruínas seculares e beleza! Sem dúvida a Itália é magnífica!

Neste post nos concentraremos na Região do Vêneto, região ao norte da Itália que engloba Veneza.

O Vêneto

Por séculos, a bandeira do Leão de São Marcos tremulou orgulhosamente nas cidades da região mais ao norte da Itália. Esta região, hoje denominada de Vêneto, se estende por muitos quilômetros e sua diversidade geográfica é impressionante, única da região. O nome vem dos antigos povos que ali habitavam, os Vênetos. Ela vai desde as costas arenosas onde o Vêneto se encontra com o Adriático, passando por montanhas altíssimas, regiões termais e sistema de lagoas espetaculares.

Veneza é uma das cidades desta região, que engloba cidades importantes como Padova, Verona e Vicenza. Há muito tempo atrás, antes que Veneza se tornasse uma das mais importantes cidades comerciais do Ocidente e englobasse em importância as demais da região, estas eram cidades-estado rivais entre si, porém cada uma delas com suas características próprias e marcantes.

A espetacular região é dividida em sete províncias: Belluno, Padova, Rovigo, Treviso, Veneza, Verona e Vicenza.

As sete províncias do Vêneto
As sete províncias do Vêneto.
Fonte: wikipedia, sob licença Commons.

 

A junção de La Serenissima na região do Vêneto parece uma estranha contradição, conforme sugerem alguns historiadores. Veneza é uma cidade secular, romântica e congelada no tempo à espera de seu destino fatídico, enquanto as demais cidades, avançam no tempo e são cosmopolitas, dignas de pertencerem a uma Europa moderna e vibrante. O que não deve ser esquecido é que este dinamismo comercial e vibrante é nada mais que o legado da Senhora da Lagoa que durante tantos séculos dominou grande parte do comércio e das rotas náuticas do mediterrâneo.

O nome Vêneto, deriva dos Vênetos, ou Veneti como se diz em sua língua latina, que foram povos que ocuparam esta região muito antes dos Romanos, por volta de 1000 a.C. advindos das imediações do Mar Negro. A região privilegiada favoreceu bastante o povoamento e a civilização chamada Veneziana logo prosperou e passou a possuir costumes próprios e até uma linguagem própria, a língua Venética, que rapidamente se disseminou pela região. E desde estes tempos o comércio já possuía uma forte influência nesta região.

As Invasões Bárbaras

Bárbaros chegam à Itália.
Bárbaros chegam à Itália.
Pintura do século XIX de Ulpiano Checa

Mas como nem tudo são flores, pouco tempo depois as primeiras hordas de bárbaros começaria a invadir as diversas regiões da Europa por volta do século V, e o Vêneto não ficou de fora. Porém estes eram comerciantes, não soldados. Desta forma, para escapar das primeiras incursões inimigas, os Venezianos se unirão aos Romanos, que já por ali se interessavam. A união foi benéfica quanto à defesa de sua região, entretanto o poderoso estilo e a poderosa cultura Romana logo foi tomando conta da cultura Venética, e foi rapidamente absorvida, sem entretanto sumir completamente.

Castelfranco del Veneto
Castelfranco del Veneto.Fonte: www.castelfrancoveneto.it

O vigoroso estilo guerreiro dos Romanos inspirou a criação das famosas cidades fortificadas que podem ser apreciadas nesta região como Pádova, Bassano e as impressionantes Castelfranco del Veneto e Cittadella. O império por sua vez, reconhecendo a extrema importância estratégica logo se pôs a construir estradas, diques, canais e cidades importantíssimas como Verona e Vicenza e aos poucos foi se tornando baluarte contra as invasões advindas dos Alpes e do Mar Adriático. Também concedeu a todos a cidadania Romana, sendo assim todos iguais perante a lei Romana.

Por volta do começo do século V, a Itália se viu sob violento ataque, advindo de diversas frontes e o império Romano, que tentava bloquear a entrada dos invasores não conseguiu sucesso. era difícil vencer milhares de inimigos atacando por todos os lados, mesmo com toda a organização Romana. O Império foi lentamente tragado e foi se recolhendo dramaticamente até quase nada restar.

 

O Saque de Roma pelos Godos. Pintura de Martin van Heemskerck (1527)Com a queda do Império Romano, a região do Vêneto se tornou um ponto obrigatório, devido a sua reconhecida posição estratégica, de passagem por quem quisesse invadir a Europa. Os Venezianos se viram sob fogo cruzado, lutando contra bárbaros de diversas origens – Lombardos, Francos, Ostrogodos – e até mesmo contra o império Bizantino que tentava reconquistar a Itália.

Alarico rei dos Visigodos Pintura de Ludwig Thiersch
Alarico rei dos Visigodos
Pintura de Ludwig Thiersch

Por volta de 402, Alarico, o mais cruel dos Visigodos invadiu a província de Veneza destruindo e saqueando tudo o que encontraram pela frente. E não ficaram por aí. Foram saqueando e destruindo, queimando e matando homens, mulheres e crianças até chegarem em Roma. Foi então um período de trevas e decadência moral, social e econômica. Não havia outra saída, a não ser fugir dali e abandonar suas ricas cidades.

Nasce uma cidade sob as Águas

 

Veneza, uma cidade que nasceu sob as Águas.
Veneza, uma cidade que nasceu sob as Águas.

Com a terrível invasão Visigótica, parte da população se refugiou nas ilhas que se encontravam na Laguna e permaneceram por ali até que os invasores fossem expulsos anos mais tarde. Uma nova e poderosa invasão teve curso logo em seguida, com o temível Átila, o Rei dos Hunos, que trouxe morte, destruição e desespero à região. Os habitantes novamente fugiram para as ilhas e desta vez não voltaram, por medo de serem completamente dizimados.

Venice Lagoon by the 7th CenturyA alternativa foi muito válida pois os bárbaros não possuíam experiência de navegação. Eram compostos de hordas de infantaria, um exército de homens fortes e sem nenhuma organização naval, pois estes eram poderosos na terra e por isto desprezavam a estratégia naval. Permaneceram então, nas ilhotas, que era o único lugar onde os bárbaros não conseguiam chegar e ali conseguiram um novo abrigo enquanto o que sobrara do poderoso Império Romano caia por terra. Os Venezianos estavam a salvo, por pelo menos um pouco mais de tempo. Anos mais tarde, uma nova invasão aconteceria.

Veneza em seus Primódios.

Logo com a chegada da enorme população que habitava a terra firme vieram os problemas, uma vez que as ilhas eram muito pequenas, por isto o nome “Ilhotas da Laguna”. Não havia espaço para todo mundo e ninguém queria voltar, por isto era necessário se fazer alguma coisa. A população não parava de crescer e havia a necessidade de se expandir. Qual a solução encontrada para este problema? A saída foi engenhosa! Os Venezianos transformaram o mar em terra firme! Um espetacular sistema foi criado para aterrar as áreas alagadas anexas às porções de terra e desta forma lentamente as distâncias entre as ilhotas foram se estreitando e criando o desenho que no futuro traria tanta admiração ao mundo ocidental, com os famosos canais de Veneza.

Você sabia?

Entrance to the Canal of Venice
Entrando no Canal de Veneza
  • Os primeiros habitantes viviam basicamente da pesca e da extração de sal?
  • 65 ilhotas serviram como base para formação do território atual da Veneza que conhecemos?
  • Hoje corresponde a mais de 120 ilhas que formam mais de 180 canais?
  • Cada região ou bairro que hoje você conhece correspondia a uma ilha?
  • As primeiras localidades mais povoadas na Laguna não fazem parte do que é hoje o atual centro histórico de Veneza?
  • Torcello foi a primeira e mais importante comunidade e onde provavelmente tudo começou?
  • As ilhas que hoje correspondem aos bairros mais famosos como San Marco e San Polo só se tornaram importantes muitos séculos mais tarde? Poucos davam importância a esta região.

A construção de Veneza

Inserindo as toras de madeira na criação de Veneza.
Inserindo as toras de madeira na criação de Veneza.
Arte de Giovanni Grevembroch
Aquarela do Século XVIII

Veneza não cresceu como cresceram as cidades em geral, se expandindo a partir de seu centro, mas a partir da junção das diversas ilhotas que eram distantes entre si. Para vencer as condições inóspitas e as necessidades de crescimento, os Venezianos precisaram de uma técnica bastante revolucionária. E esta veio da utilização ousada do material mais abundante que a nobreza, que havia sido expulsa pelos bárbaros possuía, a madeira. Ela era uma commodity muito popular em Veneza, sendo ela uma cidade lacustre, era desta forma usada em abundância para a construção de barcos e casas.

Foundation of Venice

A engenhosa saída dos venezianos foi usar esta madeira abundante e transformá-la em Estacas, ou tolpi, como são chamadas,  que possuíam cerca de 7,5 metros de comprimento que eram em seguida fincadas profundamente no solo criando desta forma uma fundação extremamente sólida para a construção das estruturas da cidade que futuramente chegaria. Esta solução se provou bastante bem sucedida, uma vez que a maioria dos prédios de Veneza ainda se encontram solidamente bem construídos e estáveis apesar de certas estacas possuírem mais de 500 anos de existência.

Mas será que apenas o fato de fincar milhares de estacas de madeira no solo das ilhotas seria o suficiente para criar a maravilha da engenharia que hoje é Veneza? Na verdade, havia realmente algo mais. Algo muito importante, que é o responsável por toda a solidez da cidade que perdura há séculos e perdurará até que as águas inundem a cidade. Não se sabe se os antigos Venezianos já o sabiam, mas o fato é que acertaram na mosca ao usarem esta técnica, pois em seu fundo a Laguna guardava um segredo que revolucionaria a engenharia e arquitetura para sempre.

Caranto

O Caranto no decorrer das eras geológicas.
O Caranto no decorrer das eras geológicas.Fonte: Flooding and Environmental Challenges for Venice and Its Lagoon: State of …
Por C. A. Fletcher,T. Spencer

Os estudos sugerem que uma camada sólida originária da Era Glacial se encontra por baixo dos sedimentos da Laguna de Veneza e por sobre as principais áreas da cidade criando assim uma fundação natural e extremamente firme que foi se solidificando ao correr dos anos. esta camada é conhecida como Caranto, que é uma camada rica em cálcio advinda dos materiais que erodiram dos Alpes e se depositaram nas regiões mais planas do Norte da Itália há cerca de 18 mil anos atrás! O período pós-glacial que se seguiu levou à solidificação destes depósitos à medida em que o solo ia secando. Quando a Laguna passou a ser inundada pela água, o Caranto foi enterrado para sempre e coberto por camadas e mais camadas de sedimentos.

O Caranto possui uma alta capacidade de compressão transformando-o em um importante substrato para a construção de estruturas de grande porte. – Sandra Donnici em Geoarchaeology 26: 514-543

 

Os limites da cidade era traçados com base neste enormes pilares de madeira que eram fincados profundamente no Caranto. Como não ficam em contato com o oxigênio atmosférico, eles não apodrecem, diferentemente da madeira que permanece exposta em algumas áreas de Veneza, como o caso da antiga Ponte de Rialto que era de Madeira e precisou ser reformada.

Ponte de Rialto sendo restaurada. Por ser de Madeira, o envelhecimento era inevitável. Fonte: UNESCO.
Ponte de Rialto sendo restaurada. Por ser de Madeira, o envelhecimento era inevitável.
Fonte: UNESCO.

 

Em seguida tábuas de madeira era postas por cima dos pilares servindo assim de apoio para os blocos de pedras calcárias.  Esta fundação de pedra não permitia que a água passasse, possibilitando desta forma o depósito de terra entre esta barragem e a ilha.

 

Veneza e suas camadas subterrâneas.
Veneza e suas camadas subterrâneas. A figura mostra ainda o efeito da subida das águas da Laguna ao longo dos anos.

Quando a terra se erguia até o topo da barragem, que era um pouco acima do nível da água, paredes de tijolos eram erguidas, criando assim os novos limites para a ilha, surgindo os famosos canais entre as ilhas. Passarelas e pontes eram logo criadas para comunicação entre as ilhas. Curiosamente, as primeiras pontes eram privadas e se pagava para se passar por elas!

As surpreendentes Fundações de Veneza

map
Bird’s Eye View of Venice
Desenho de HARRY MORLEY

Os vídeos a seguir nos dão uma ideia mais concreta das incríveis fundações da Cidade de Veneza. Os vídeos estão em Inglês, mas vc pode ativar as legendas em Português, ou em qualquer língua seguindo este método.

1. Clique em Configurações – Legendas – Inglês. As legendas serão em Inglês.

2. Repita o processo:  Configurações – Legendas e agora clique em traduzir legenda. escolha o seu idioma.

As legendas não são lá estas coisas, mas dá para pegar a essência dos vídeos que são muito interessantes!

O primeiro vídeo mostra o processo moderno de fincar os Tolpi no sedimento da laguna.

 

 

Este é ainda mais impressionante. O programa se chama “Strip the City” da equipe do Discovery Channel. Ele é um programa longo e nós condensamos apenas esta parte que mostra a impressionante engenharia que se encontra por baixo de toda a cidade! IMPERDÍVEL! Duração: 2 minutos

 

 

Ilhas Independentes, Ruelas e Labirintos.

As ilhas eram desde o seu início, independentes entre si, porém todas possuíam algumas características em comum:

      • Independentes porém unidas através de pontes a suas vizinhas.
      • Cada uma possuía sua própria fonte para suprimento de água, em geral poços com água própria para uso.
      • Uma Igreja e um campanário, ambos centrados em um Campo ou praça, que era o foco comercial local.
      • Pallazzi com lojas e armazéns em seu andar inferior ou ao nível do solo, ficam à margem do Campo, que por sua vez é conectado às lojas por ruelas labirínticas e becos estreitos.

O vídeo abaixo mostra estas características ainda presentes em Veneza. Duração: 1 minuto

 

 

É surpreendente fazer uma visita ao Campo de San Giacomo di Rialto e se deparar com características tão medievais como estas. Nas fotos a seguir podemos perceber a praça ou Campo, o espaço destinado ao Campanário e a fonte de água. Um lugar marcante.

Campo San Giacomo di Rialto.
Campo San Giacomo di Rialto.
Campo San Giacomo di Rialto. A fonte de água em meio ao Campo.
Campo San Giacomo di Rialto. A fonte de água em meio ao Campo.
Campo San Giacomo di Rialto. Vielas estreitas e labirínticas que levam ao Campo.
Campo San Giacomo di Rialto. Vielas estreitas e labirínticas que levam ao Campo.

Veneza é realmente uma cidade bastante curiosa. Seu formato atual, a Veneza que conhecemos hoje, com pequenas alterações data do ano de 1500. Muito pouco foi alterado desde lá.

O Poço do Palácio Ducale. Arte de BIRKET FOSTE
O Poço do Palácio Ducale.
Arte de BIRKET FOSTER

 

As fontes que ainda podem ser vistas se relacionam aos antigos poços que coletavam água da chuva para a população. Ela era coletada e assim como na Roma antiga, conduzida pelo pavimento de forma limpa e organizada até uma cisterna preparada com areia e barro, que servia como filtro.  As leis eram rigorosíssimas e proibiam que pessoas com mãos sujas ou animais sequer se aproximassem dos poços para garantir a pureza da água da população!

O poço ornamentado no Palácio Ducale.
O poço ornamentado no Palácio Ducale.Fonte: Bonechi Edizioni

Para mostrar a importância que os Venezianos davam à água, ao longo da cidade e em especial no Palácio Doge, ainda se podem ver alguns poços ornamentados e belíssimos como obras de arte.

Os campanários, com exceção de alguns, em geral eram bastante altos e muitas vezes com o desnível do solo tendiam a se inclinar, semelhante à famosa torre de Pisa. Esta inclinação se torna por vezes muito perigosa ao longo dos anos. Um exemplo disto foi a queda do espetacular campanário da Piazza de San Marco, um dos mais famosos de toda a Itália.

Veneza - Itália
O campanário da Praça de San Marco.
As ruínas do campanário de São Marco após seu colapso em 1902.
As ruínas do campanário de São Marco após seu colapso em 1902.Fonte: Ufficio Stampa Comune Venezia/EPA

A consternação tomou conta da cidade quando em 12 de Julho de 1902 o poderoso campanário de San Marco desabou. A reconstrução é considerada uma das mais prodigiosas intervenções da engenharia moderna, pois o campanário original não era de forma alguma uma estrutura segura e os materiais utilizados não eram tão uniformes quanto se pensava. era uma superestrutura inadequada para o terreno e para suas minúsculas fundações. Mas o trabalho teria que ser perfeito. O mesmo campanário teria que ser erguido e de forma a não incorrer em uma nova catástrofe. As mesmas 10 toneladas de bronze deveriam ser erguidas até seu topo, o mesmo formato e os mínimos detalhes deveria ser recriados.

Os números falam por si, pois o campanário foi reaberto 10 anos depois, em um trabalho constante e quase sem interrupções. O peso atual do campanário é impressionante: 12,970,000kg, incluindo 1,530 m³ de novas pedras Istriânicas, usadas originalmente por toda Veneza  e 1,204,000 tijolos. Um prodígio!

 

 

Está gostando deste artigo? Faça como muitos outros leitores!

Seja um assinante Viagem e Arquitetura!

E receba atualizações, dicas e muita coisa legal para tornar ainda melhor sua

próxima viagem!

É super simples e não leva nem 2 minutos!

Não fazemos spam! Odiamos isto também!

E você pode se descadastrar a qualquer momento!

 

 

Para se conhecer um pouco mais!

A simbologia Cristã associa o evangelista São Marcos à figura do Leão Alado, frequentemente chamado de Leão de São Marcos. Quase sempre é visto como um leão com um livro debaixo de suas patas, por vezes com uma espada e também com um halo. É visto em diversas regiões da cidade de Veneza e é uma aventura intrigante sair à procura destes símbolos na vida cotidiana da cidade. Aquele que se dispuser a fazer vai perceber que a simbologia é bastante forte e se esconde em lugares inusitados!

Na monumental fachada da Basílica de São Marcos, em Veneza se tem uma ideia do poder do evangelista sobre a cidade e a região.

Ao topo se ergue a espetacular estátua de São Marcos, dando sua benção, sendo venerado pelos seis anjos portadores de incenso. Um espetáculo!
O arco central da Basílica de São Marcos.
No mosaico estrelado se vê o Leão Alado com o livro aberto na qual se lê a inscrição “Pax tibi Marce, evangelista meus.” – Paz a você, Marcos meu Evangelista.
Ao topo se ergue a espetacular estátua de São Marcos, dando sua bênção, sendo venerado pelos seis anjos portadores de incenso. Um espetáculo!
Fonte: St. Marks Procuratore, Italia.

A representação de São marcos como o Leão Alado é derivada das profecias contidas no verso do livro do Apocalipse 4:7 que diz:

E o primeiro animal era semelhante a um leão, e o segundo animal semelhante a um bezerro, e tinha o terceiro animal o rosto como de homem, e o quarto animal era semelhante a uma águia voando. – Apocalipse 4:7

Os escritores dos quatro Evangelhos foram representados por símbolos alados e suas cabeças envoltas numa auréola, a partir de uma visão anterior do Profeta Ezequiel 1.5-25. O homem seria Mateus, o touro Lucas, a águia o amado João e o leão alado Marcos.

 

 

Veneza do Passado: Como chegar até ela?

 

Torcello

Torcello vista da Laguna.
Torcello vista da Laguna. A visão nos dá uma ideia de como as ilhotas se distribuíam no passado.Foto de Marjorie Och

Para conhecer os primórdios de Veneza, você deve partir em direção a um dos lugares mais calmos do ocidente. A bucólica ilha de Torcello. ela possui os vestígios de ocupação humana mais antigos da Laguna Veneta, datados do século V. Foi uma das mais importantes do início da história de Veneza e sua população era de mais de 20 mil habitantes. Hoje chega a pouco mais de 100.

A foto acima, nos dá uma boa ideia de como as ilhotas se distribuíam ao longo da Laguna e dos grandes desafios que os primeiros Venezianos, fugindo dos bárbaros tiveram que enfrentar para criar um novo mundo de um lugar completamente inabitável.Em Torcello você vai encontrar muito do que foi mostrado ao longo deste post, como os campanários, igrejas e Campi em escala bem reduzida, bastante fiel ao seu início, nada mais emocionante que estar neste lugar e presenciar o surgimento da espetacular Veneza em seu berço!

A primazia de Torcello durou pouco. Assolada pela Malária e por ser um local de difícil defesa, aos poucos os habitantes foram migrando para ilhas maiores e mais distantes dando origem a Veneza. Curiosamente, Átila o rei dos Hunos, chegou a Torcello e em frente à Basílica de Santa Maria Dell’Assunta, existe uma pedra em forma de cadeira que, conta a história, foi usada por Átila como trono enquanto esteve por ali. Os destaques ficam por conta das espetaculares igrejas:

Santa Maria Dell’Assunta

Santa Maria Della Assunta em Torcello. Uma obra espetacular do Século 5!
Santa Maria Della Assunta em Torcello. Uma obra espetacular do Século 5!Fonte: www.crossingitaly.net

A belíssima Catedral Bizantina, que mostra os sinais do tempo. Uma obra espetacular de um povo que apesar de ter deixado para traz toda a riqueza da terra firme, nunca deixou de estar próximo ao seu criador. Os destaques ficam por conta dos belíssimos mosaicos bizantinos que retratam o julgamento final, que cobrem toda a parede da igreja, O púlpito que data de 1008, com mármore e fragmentos ainda datados do século VII, o sarcófago Romano que fica por baixo do altar, que possui os restos mortais de São Heliodoro e o interessante trono de Átila o Rei dos Hunos.

O "Trono" de Átila, o Huno em Torcello.
O “Trono” de Átila, o Huno em Torcello.

Santa Fosca

Santa Fosca em Torcello
Santa Fosca em Torcello.Fonte: Wikimedia sob licença Commons

 

Construída no século 11 em formato de cruz grega e possui uma atmosfera bizantina e serena.

Conheça um pouco da pacata Torcello neste vídeo. Muito boas imagens! Duração: 3 minutos.

 

Veneza – Dorsoduro

San Nicolò dei Mendicoli

Interior da Belíssima Chiesa de San Nocolo dei Mendicoli.
Interior da Belíssima Chiesa de San Nocolo dei Mendicoli.Fonte: Wikimedia sob licença Commons

A espetacular Igreja possui um estilo arquitetônico Gótico-Veneziano impressionante. A igreja dava abrigo em seus pórticos aos pobres – Mendicoli ou pedintes – e às mulheres pouco mudou desde sua criação por volta do século 12. O Campo em frente a ela é considerada Veneza em miniatura, circundada por três lados por canais, com uma das últimas colunas leão alado de São Marcos – Uma das últimas a escaparem da investida das tropas de Napoleão.

O leão Alado de São Marcos em San Nicolo. Um dos últimos a restarem na cidade.
O leão Alado de São marcos em San Nicolo. Um dos últimos a restarem na cidade.Fonte: Google.

Vale a pena ser visitada se você quiser voltar no tempo! Se você aprecia obras primas, em seu interior vai encontrar pinturas espetaculares.

Como sobrevive Veneza?

Como funciona esta cidade espetacular? Como dia após dia esta maravilha da engenharia vence seus desafios? Algumas perguntas rapidamente nos vem à mente:

    • Como é possível beber água potável em Veneza se ela é circundada pela Laguna Salgada?
    • Como são tratados os dejetos e o lixo?
    • Como é possível existirem tantas obras arquitetônicas preservadas?
    • Como se faz para preservar uma cidade tão difícil?
    • A cidade está realmente afundando?

O vídeo a seguir é espetacular e responde a estas e muitas outras perguntas que sempre vem à mente de quem visiata ou sonha em visitar Veneza. Dura cerca de 18 minutos e seu conteúdo é simplesmente imperdível. Não esqueça de ativar as legendas se assim desejar.

Veneza, uma cidade Nostálgica

Conhecer Veneza foi um dos maiores sonhos que nós podíamos ter. A cidade causou uma impressão muito grande em nós e com certeza vai fazer o mesmo com você. Neste post trouxemos um pouco da história e de como ela funciona e como é preservada. Em um post seguinte traremos um guia completo para sua próxima visita.

Qual a sua opinião sobre esta cidade? Já esteve aí? Conseguiu perceber os sinais da história em cada recanto dela? Qual foi a sua melhor experiência?

Um grande abraço a todos!

About Giovani da Costa

Giovani é médico. Junto com sua esposa criaram o blog Viagem e Arquitetura( viagemearquitetura.com.br) com uma proposta diferente do que há no mercado de blog de viagens. Trazer informações sobre Arquitetura e História relacionada aos destinos. Você pode encontrá-lo no Google+, Twitter e Facebook.

Check Also

Roma

10 Regras de etiqueta a bordo de aviões que você precisa conhecer hoje mesmo! – Infográfico

iajar é sem dúvida o desejo e aspiração de muita gente! Quem afinal de contas …

La mano Punta del este

Um passeio por Punta del Este, Uruguai – O que fazer e o que conhecer!

  Uruguai é o país mais surpreendente da América do Sul! Neste post vamos passear por …

alberobello

Alberobello, Itália. Um tesouro escondido que poucos conhecem!

Esta cidade da Itália, que poucos além dos próprios Italianos conhecem, é Patrimônio Mundial pela …

Obrigado por ler nosso post! Você gostou? Qual a sua opinião sobre ele?